Sociedade Amigos da Cidade Vargas existe desde 1945

Quando se ouve a história de que a Cidade Vargas foi um bairro criado como um condomínio horizontal de casas de bom padrão, projetado a partir de um uma ação conjunta entre os sindicatos dos comerciários e dos jornalistas, pode-se ter a impressão de que ali não havia carências ou problemas.

Mas, não foi bem assim. No início década de 1940, quando as primeiras casas começaram a ser construídas, toda a região ainda estava em processo de adensamento.

O Parque do Jabaquara, uma área verde particular imensa, começava a desaparecer, por conta da venda e loteamento por seu proprietário, Antonio Cantarella. O Jabaquara, portanto, ainda era uma região sem opções de transporte público, com pouca iluminação, ruas ainda sendo abertas, raras opções de comércio.

A população, entretanto, era formada por pessoas atuantes e conscientes, muitos jornalistas. Unidos, esses moradores começaram a planejar a implantação de uma associação de bairro.

Pioneirismo

E foi assim que surgiu uma das pioneiras e mais fortes entidades do gênero na capital paulista: a Sociedade Amigos da Cidade Vargas.

Reuniões iniciais foram promovidas em plena rua ou em terrenos vazios. Cada morador levava sua cadeira!

Ficou, então, estabelecida a data oficial para criação da entidade: 1 de Maio de 1945.

Não por acaso, os integrantes escolheram o Dia do Trabalho para marcar a abertura da nova instituição.

A Sociedade Amigos da Cidade Vargas foi essencial na conquista de mais opções de transporte, para ganhar obras de saneamento, iluminação e outras benfeitorias públicas.

Aos poucos, a entidade passou a ser referência em toda a cidade, inspirou outras similares. Ganhou respeito, também, junto a autoridades e representantes do poder público. Em 1969, foi declarada de utilidade pública municipal. Em 1979, conquistou o mesmo título em nível estadual.

Aos poucos, a entidade passou a investir em sua própria sede. Ali, os moradores puderam inicialmente se encontrar e debater melhorias. E a população percebeu a carência de espaços para lazer.

Com união, conseguiram construir uma sede com salão social. Nele, foram promovidos bailes elegantes, festas de carnaval e muitos encontros. Depois, ampliaram a sede com piscinas, saunas, quadras e ginásio poliesportivo, salão de jogos, cantina… A sede existe até hoje e é conhecida como “clube”, por muitos associados.

Fica na Praça 20 de Setembro, 2 e tem site em que divulga sua programação de lazer: www.sacv.com.br.

Na sede da Sociedade Amigos da Cidade Vargas, são promovidos bailes há décadas – Fotos: Acervo Jornal SP Zona Sul

 

 

11 thoughts on “Sociedade Amigos da Cidade Vargas existe desde 1945

  1. A primeira sede da SACV foi na Rua Santo Estácio, quase esquina com a Nelson Fernandes, frequentei um baile de carnaval, sou nascida no Bairro, morei na Roald Onze de Fevereiro à uns 50 metros da atual SACV. TENHO MUITAS SAUDADES DE TODAS AS ÉPOCAS PASSADAS.

  2. Nossa que saudades, com minha família amada mudamos para a Cidade Vargas em 1958.Frequentamos a SEDE o clube, estudava na escola estadual Deputado Nelson Fernandes, crescemos ai, saímos em 1969.
    Minha mãe que já faleceu há oito anos sempre dizia que nesse bairro foi o tempos mais feliz, eu, minhas tres irmãs, meu pai e uma tia. Muita saudades.
    Adore a matéria, linda recordação.

  3. Neste espaço, foi construído um Grupo Escolar de madeira, que em 1967 cursei meu primeiro ano primário, aluno da saudosa professora dona Nicéia.
    Logo em seguida, o “Colégio em alvenaria” ficou pronto e fomos transferidos para lá…
    Tratava-se da maravilhosa Escola Estadual Deputado Nelson Fernandes, autorizada construção pelo Exmo. ROBERTO COSTA DE ABREU SODRÉ, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO.
    Decreto 51334/69 | Decreto nº 51.334, de 29 de janeiro de 1969
    Quantos amigos… Quantas boas histórias… Era feliz e não sabia.
    Nota. Tive a honra e o privilégio de ter concluído meus 4 anos primários nesta escola. Primeiro ano, dona Nicéia, posteriormente, donas Elidéia, Elfrida, Lucinda e quinto ano com a saudosa dona Lourdes.
    Minha mãe, também lecionava lá, mas não cursei o terceiro ano com ela ( Diva Pesce de Campos ), mas ministrou-me o catecismo e a primeira comunhão… Muitas saudades

  4. Eu Flavio w. Ansaldi, moro aqui na Cidade Vargas, desde. 1963, onde meus queridos pais, já falecidos, conseguimos nossa casa própria, tenho muitas saudades da minha família naqueles tempos lindos, e meus professores, da E.N.Sr.G, onde estudei quando criança .

  5. Conheço bem a Sede da cidade vargas, até estive na Sede, com uma garota Suzana em 1979.
    Poia cresci na Cidade Leonor, e sempre estava nas proximidades.

  6. Conheço bem a Sede da cidade vargas, até estive na Sede, com uma garota Suzana em 1979.
    Poia cresci na Cidade Leonor, e sempre estava nas proximidades.

  7. Em um barracão de madeira, dentro das dependências da SACV, ficava a sede do grupo escoteiro Cruzeiro do Sul, onde fui lobinho, nos idos de 1965. Chefe Júlio, um alemão de mais de 2 m de altura, enorme como seu coração, e a chefe Olga, sua mulher, e seus filhos escoteiros, eram a alma do grupo. Os lobinhos eram chefiados pela ‘Aquelah’ Rita, que amávamos. Aos domingos, após a missa em latim na igreja Nossa Sra. das Graças, que assistíamos fardados, a volta pra casa e o almoço com a família era de uma alegria que dura até hoje.

Deixe uma resposta para Regis Pesce de Campos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *